Listamos 10 passeios que não podem faltar no seu roteiro por Cartagena

Quem acompanha o blog e viaja com esta família já sabe que flanar é o item número um de nossos roteiros. Andar sem rumo pela cidade para sentí-la, reparar detalhes, conhecer e traçar caminhos, colocar todos os seus sentidos, até o sexto, para familiarizar aquele ambiente.

Já disse isso anteriormente, mas vou repetir. No caso de Cartagena de Indias, na Colômbia, repare as construções, as lojas, as cores, as flores, as praças, ouça um batuque e o siga, admire as portas gigantes e maravilhosas com batedores em ferro, com ou sem animais esculpidos. Sinta o calor da cidade, daquele sol alaranjado e que queima, como descrito nas obras de Gabriel García Marquez; sinta o cheiro de café em uma ou outra esquina, ouça cavalos trotando. Entre no clima. Agora sim. Você está pronto para seguir um roteiro.

Roteiro é algo pessoal. O objetivo e gostos individuais devem influenciar nas suas escolhas. Vamos colocar aqui o que tem para fazer em Cartagena conforme nosso gosto e você molda de acordo com o seu. Vamos lá:

1- Plazas: La Aduana, De Los Coches, Simón Bolívar e Santo Domingo

Passear em praças dentro da cidade murada é algo que com certeza você vai fazer. Há muitas outras pracinhas além destas que citei. Então, vamos falar um pouquinho de cada uma delas. A Plaza de La Aduana não tem muito o que fazer é um espaço aberto, sem atração alguma, não é arborizada, mas tem um comércio ao redor, incluindo bancos e é cercada por prédios antigos, em estilo colonial e bem bonitinhos. Lá tem uma agência do Itaú para caso você seja cliente, poderá sacar dinheiro lá, se necessário. A praça é boa para dar um passeio de bike com a criançada, mas ela fede. Parece que por ali passa um esgoto e o odor em alguns momento atrapalha bastante. Há uma estátua de Cristóvão Colombo bem no centro da praça e é por ali também que está o Hard Rock Café de Cartagena. Coladinha a esta praça temos a Plaza de Los Coches.

A Plaza de Los Coches já foi chamada de Plaza del Juez, Plaza del Esclavo, Plaza de Mecaderes, Plaza de la Yerba e Plaza del Ecuador e passou a ser popularmente conhecida por Plaza de Los Coches porque ali ficavam estacionadas as carruagens em outros tempos. Coche é um tipo de carruagem antiga e que Cartagena oferece até hoje passeios com este transporte de tração animal. Por ali tem várias barraquinhas de doces caseiros e tradicionais do país.

Esta livraria – tipo um sebo – existe desde 1953 e fica dentro do portal do meio na entrada principal da cidade murada em #cartagenadeindias . Lá você encontra as primeiras edições de várias obras de #Gabo . Para colecionadores é uma mina de ouro. Uma publicação dessas pode custar até R$ 500 por lá. 📚📰📝 . . . “- Sigamos em linha reta, reta, reta, outra vez até a Dourada. – Está dizendo isso a sério? – Desde que nasci não disse uma única coisa que não fosse a sério. O comandante olhou Fermina Daza e viu em suas pestanas os primeiros lampejos de um orvalho de inverno. Depois olhou Florentino Ariza, seu domínio invencível, seu amor impávido, e se assustou com a suspeita tardia de que é a vida, mais que a morte, a que não tem limites. – E até quando acredita o senhor que podemos continuar neste ir e vir do caralho? – Florentino Ariza tinha a resposta preparada havia cinquenta e três anos, sete meses e onze dias com as respectivas noites. – Toda a vida. – disse.” (O Amor nos Tempos do Cólera – Gabriel Garcia Marquez) . . Gabo completaria 91 anos hoje. 🌹 . . . #colombia🇨🇴 #cartagenadeindias🇨🇴 #cartagena2018 #gabo #gabo91anos #librerialosmartires #libreria

A post shared by Blog Alecrim 🔹 (@ale.cri.m) on

É nesta praça também que está o portal principal de entrada da cidade amuralhada e é também dentro de uma das portas que tem uma das mais tradicionais livrarias da cidade: a Libreria Los Martires. É um sebo que existe desde 1953 e onde você encontra as primeiras edições de várias obras de Gabriel García Marquez. Para colecionadores e apaixonados pelo escritor e jornalista, é uma mina de ouro. Uma publicação desta pode chegar a custar R$ 500 ou até mais por lá.

Plaza Simón Bolívar é uma pequena praça, toda arborizada, com uma estátua no centro em homenagem ao libertador Simón Bolívar que, em 1812 escreveu o Manifesto de Cartagena exatamente nesta mesma praça. Por ali tudo acontece. Dançarinos levam um pouco da cultura local para a praça pública e passam o chapéu – a batida é uma delícia e dá vontade de entrar no ritmo – limonada, sorvete, pombos, velhinhos, barraquinhas e cocheiros convidando para um passeio, além de turistas para lá e para cá. É um lugar interessante para parar e observar o ir e vir dessa cidade.  

A Plaza Santo Domingo é para mim a melhor e mais animada destas. Pura agitação. É um dos pontos boêmios de Cartagena, com mesinhas na rua, restaurantes e bares, mais ambulantes, comércio a todo vapor ao redor. As ruas de acesso a essa praça também possui alguns bons restaurantes para quem gosta de comer bem. Inclusive, um dos que mais gostamos na cidade, que é o peruano Cuzco. Uma obra do famoso artista colombiano Fernando Botero abrilhanta um canto da praça em bronze. É a estátua de La Gorda, a “Gertrudis“, em que a Malu se divertia batendo no bumbum e chamava de “pandeirão”.

2- Iglesia y Monasterio San Pedro Claver

O protetor dos escravos, ou ainda “escravo dos escravos”, San Pedro Claver, viveu neste monastério. A igreja data de 1580 mas recebeu uma reestruturação no século XVII pelos jesuítas.  Após a expulsão desta ordem religiosa, neste tempo, hospedou um hospital e até um quartel militar, até voltar a abrigar os jesuítas, que retomaram o local em 1896. No local, hoje, funciona também um museu arqueológico.

3- Museu Naval del Caribe e Museu del Oro

O Museu Naval del Caribe, com sua entrada localizada atrás da igreja San Pedro Claver, é um dos pontos turísticos que mais achei legal para ir com criança em Cartagena. A Malu ficou super curiosa com a história local sobre piratas e se divertiu bastante com alguns objetos interativos. Dá pra entrar dentro de uma réplica de um submarino e apertar botões, por exemplo. Neste museu os visitantes aprendem também sobre a cultura e as rotas do comércio dos índios.

O pequeno Museo del Oro, localizado ao lado oposto ao Museu da Inquisição, do outro lado da praça, é apenas uma pequena amostra da evolução e história do ouro naquela região. Se você estiver com tempo apertado eu acho que não vale muito a visita não. Mas se tiver tempo de sobra, não custa dar um confere nos objetos desta coleção. A visita é gratuita.

4- Comer muito

A gastronomia local é incrível e alguns bons restaurantes ainda buscam a sua identidade na cozinha contemporânea. Em geral, é uma gastronomia de influência marítima-caribenha e afro-colombiana. Tudo muito bem temperado. Vale a pena ousar. Almoce e jante que não vai se arrepender. Se permita, mesmo que haja café da manhã no hotel, a sair um ou dois dias e tomar café em algumas cafeteria local. Você não vai se arrepender. E se quer sugestões dos locais que comemos e o que achamos de cada um, linkaremos um post aqui em breve. Então, não perca.

5- Catedral de Cartagena

A atual Catedral de Cartagena, Catedral Basílica Metropolitana de Santa Catalina de Alejandría, teve sua construção iniciada em 1577, mas só foi finalizada 84 anos depois. Em 1586, o templo, ainda em construção, foi afetado pelo ataque do pirata Francis Drake, que gerou graves danos e atrasou sua conclusão, o que aconteceu apenas em 1612.  Dentro da igreja há mármore e madeiras trabalhadas em alto relevo. Porém, no início de tudo, quando a cidade possuía apenas dois anos de existência, em 1535, no mesmo local havia um templo feito de palha e cana. Hoje, a Catedral possui uma cúpula que é um dos cartões postais mais lindos dessa pequenina cidade amuralhada. Durante a noite esta cúpula se ilumina e consegue ficar ainda mais bela.

6- Teatro Heredia e Casa de Gabriel Garcia Marquez

O belo Teatro Heredia merece a sua visita, mesmo que seja apenas pelo lado de fora. Para avistar essa bela construção. Acredito que o Teatro Heredia Adolfo Mejía seja um dos edifícios mais charmosos de Cartagena. Ele foi construído em 1911 e sua obra foi inspirada no Teatro Tacón, localizado em Havana, Cuba. Não tivemos a oportunidade de visitá-lo por dentro, mas ficamos na vontade. Ainda assim, foi um prazer admirá-lo apenas seu exterior.

E logo ali próximo, você encontra a casa de Gabriel García Marquez, – na calle carrera 2 com carrera7. Infelizmente não há por ali nenhum memorial, ou qualquer museu que remeta ao escritor e jornalista e é bem verdade que pouco há pela cidade referências a Gabo, o que me deixou bastante entristecida. A casa não é aberta a visitação e tem um muro altíssimo que impossibilita qualquer visibilidade do local. Mas bem ali ao lado desta residência funciona um hostel chamado “Macondo” e nele possui um muro dedicado ao “periodista” onde você pode registrar uma foto para marcar um breve momento entre você e este maravilhoso escritor que tanto foi inspirado, quanto acolhido pela cidade de Cartagena de Indias.

7- Castillo San Felipe

O Castillo San Felipe de Barajas foi construído com a função de proteger a cidade de Cartagena de Indias, umas das cidades mais visadas da época por sua posição estratégica no mapa. Esta fortaleza é uma das mais importantes construções espanholas na América. Sua construção, que foi iniciada em 1536 e finalizada em 1657, foi fundamental para a defender a cidade, mas também responsável por abrigar ouro e prata que os Espanhóis saqueavam. Em 1697 este forte foi invadido por franceses, mas foi novamente tomado pelos espanhóis. O Castillo se encontra na ala leste da cidade, no alto da colina de San Lazaro e não por acaso ele foi construído ali, pois naquele ponto é possível ver qualquer aproximação tanto pelo mar, quanto por terra.  

8 – Passeio de Bike por Getsemaní

Passear de bike dentro da cidade amuralhada já não vai valer tanto a pena já que aqui você já vai ter decorado praticamente cada milímetro das ruelas deste centro histórico. Sua melhor opção é realmente se aventurar por um bairro vizinho que tem as mesmas características coloniais e as cores que envolvem o complexo do outro lado do muro. Cuidado apenas com as avenidas no caminho. Fique atento ao trânsitopara que faça seu percurso com o máximo de segurança possível. Tente não fazer este passeio durante o período noturno para evitar se perder ou ter experiências desagradáveis.

Você vai se deparar com várias lojinhas de bike em Cartagena. Onde você vai alugar não será problema. Apenas verifique antes os equipamentos como capacete, que são obrigatórios, pois eles podem não estar em condições muito agradáveis para uso.

Historicamente, Getsemaní é um bairro popular; considerado de periferia mesmo.E isso é desde o domínio espanhol. Ali nasceram os primeiros grupos que conspiraram contra a coroa. Quando a cidade de Cartagena era apenas o que se encontrava dentro da muralha, este bairro, que na época era uma ilha, era conhecido como “Urbanización Arrabal”. Com o tempo este povoado foi se tornando um ponto boêmio, local de prostituição e tráfico de drogas. Nos dias de hoje, já é notória sua mudança. Atualmente é possível passear pelo bairro tranquilamente e encontrar lindas casas, construções muito caricatas e que nos remete à cultura e hábitos locais. O bairro ganhou mais cor e mais vida. Ainda é possível notar alguns resquícios de uma época sombria, mas também é possível sentir o aconchego e vibração de um lugar alegre. Por ali, hostels, hotéis, barzinhos descolados e restaurantes começam a dar um ar mais turístico. E se ficar dentro da cidade amuralhada estiver fora do seu orçamento ou em caso de lotação, escolha Getsemaní para se hospedar.  Ah! E também se você for jovem e gosta de curtir com os amigos algumas festinhas locais durante a noite, o bairro ainda mantém seu espírito boêmio.

9 – Passeio nas praias vizinhas

Como eu já mencionei aqui no blog em posts anteriores, nós não visitamos nenhuma praia ao redor de Cartagena porque teríamos cinco dias na ilha que é considerada um paraíso no país. A ilha de San Andrés (linkaremos sobre San Andrés em breve), o mar de sete cores e tal. Então, a minha recomendação é essa. Pelo que li sobre outras praias, eu acho que a melhor opção é realmente dar uma esticada de alguns diazinhos em San Andrés. Bom, mas se esta não for uma opção para você ou se ainda assim você quiser conhecer outras “playas”, vou listar as que mais encontrei em minhas pesquisas e dizer também o que achei de positivo e negativo. Vamos lá.

As mais famosas são Playa Blanca, na Isla Barú e as ilhas com hotéis que você pode usufruir de sua estrutura mesmo sem se hospedar, obviamente isso terá um custo extra. E todas estas compõem o arquipélago da Islas del Rosario. Então vamos por parte.

Bom, os pacotes fechados que encontrei para Playa Blanca, a única do arquipélago que você consegue ter acesso por terra e não apenas pelo mar, envolvia uma parada no oceanário, um mergulho em uma outra ilha do arquipélago e um almoço.

Vamos lá. A refeição é bem simples. Um peixe, uma salada e arroz. Não vá esperando nada além do básico. O que encontrei sobre o oceanário me deixou perplexa. E foi um dos principais pontos que me fez descartar essa opção, caso viéssemos a ir a Playa Blanca. Desde que assistimos o documentário Black Fish, minha visão sobre animais que vivem encarcerados mudou muito. Mas nem mesmo o SeaWorld me chocou tanto. Faça uma busca pelo google e o Youtube e tire suas conclusões.

Outro ponto é que, apesar de ser esta uma forma de chegar mais rapidamente à ilha, é preciso considerar e avaliar o tempo que se perde nessas atrações. Acredito que a melhor opção seria ir em uma lancha particular ou por terra, principalmente se você estiver com crianças. Pois evita baldeações e controla melhor seu tempo e o ritmo da lancha. Um outro ponto que encontrei em minhas pesquisas é que tanto a lancha, quanto o catamarã (outro tipo de embarcação, maior, porém mais lento) é que acaba entrando e voando muita água nos passageiros e você já chega no destino molhado. Não seria problema se você não tivesse que se preocupar com seus pertences e ainda uma criança, que seria nosso caso. Acho que a escolha acaba sendo muito particular porque cada um tem seu ritmo e suas particularidades em uma viagem.

Ainda sobre Playa Blanca, lemos também que ela não tem nenhum comércio fixo que ofereça comida e bebidas. Há banheiros químicos. E pode haver, ou não, depende da hora e o dia, barquinhos ancorados que venda algumas guloseimas, refeições e bebidinhas. Mas não vá esperando nenhuma estrutura além do mais básico. Há muitos ambulantes, mas dizem que é muito mesmo. E pelo que conhecemos do centro histórico de Cartagena eu já consigo imaginar o quanto. Então acaba que o sossego é uma das últimos objetivos que você deve atingir nesta praia. Ou você tem a opção de entrar no clima e aproveitar as ofertas de massagem, por exemplo.

Sobre passar um dia em uma das ilhas com estrutura de hotelaria, é o que mais eu recomendaria para uma família. Você só precisa pesquisar, encontrar um hotel que você ache que mais tem a ver com o que você procura e contratar uma embarcação para te deixar lá e buscar no fim do dia. Obviamente o hotel cobra uma taxa por essa estadia. Alguns hotéis que encontramos como boas opções:  Isla del Encanto e Gente del Mar.

10- Pôr do Sol na Muralha

Por último, no entanto muito, mas muito importante, é você assistir ao pôr do sol no O Baluarte de Santo Domingo. Não existe possibilidade de você ir a Cartagena de Indias e ir embora sem ter esta experiência, seria o mesmo que ir a Paris e não visitar a Torre Eifel, ou ir a Londres e não passar pela London Eye e o Parlamento, ou pior, ir a Orlando e não passar nenhum só dia em algum parque ou loja da Disney. Não dá.

O que você vai mais vai ver de recomendação é que você vá até o Café del Mar, que é um bar ao ar livre que tem por ali, pegar uma mesa, pagar caro por uma cerveja e assistir sentadinho do seu lugar ao pôr do sol. Eu te diria que ok. Vá lá. Chegue bem cedo porque fica lotado, mas se você acha que é o tipo de passeio que se enquadra no seu roteiro, fique a vontade. Eu te recomendaria a ir até o baluarte e não entrar no café. Sentaria na muralha e ficaria ali só sentindo a brisa do mar e o calor escaldante daquele sol alaranjado que nunca vi igual.

E se posso te dizer mais, Gabriel Garcia Marquez acertou em cheio ao dizer que Cartagena de Indias precisa ser vivida para ser contada. Dona do pôr do sol mais lindo que já vimos, ficamos encantados e entorpecidos diante de tanta beleza. É verdadeiramente um espetáculo. Aquela bola de fogo de cor viva parece que fica ali dançando na sua frente até esmaecer na linha do horizonte e deixar ranhuras “malvas” no céu. É simplesmente apaixonante.

Postado em %s

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *